Vozes/Poesia em Vários Tons/Poesias Brasileiras/Um Passeio por Minas Gerail/A Poesia de Ineifran Varão vols.I e II/Poemas Brasileiros/Causos e Cordéis/Varano/Varano, o poema sonoro

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

O Aniversário de um Homem













É dia de Natal... E ele está sozinho...
Cartões, abraços,  beijos até no cãozinho.
Acho que o homem  está triste, apesar das festividades.
Presentes e mais presentes, sem grandes novidades.
Sozinho na multidão ele procura seu nome.
Ninguém o anuncia. Ninguém fala nesse homem.
Guirlandas e árvores, bolas brilhantes e coloridas.
Gente pra cima e pra baixo nos “ shoppings”  e avenidas.
De quem é esse aniversário? Por que o povo se rejubila?
A mídia anuncia tudo. Sem escolha, entramos na fila.
Muitos não ligam, outros nem sabem o porquê da festa (é minha  impressão).
Bebem, dançam, gritam...  Tremenda confusão.
... E aquele homem caminha pelo mundo,  sozinho,
Olhando dançarinos e bêbados girando como moinhos...

...........................................................................................
Ele não está longe! Ele está aqui! Ele está por toda parte!
Ele vive e ainda zela por todos nós. Ele me ama e quer amar-te!
Ele já fez Sua tarefa e nos mostrou o caminho.
Foi crucificado e coroado de espinho,
Morreu por nossos pecados e nos deu a Salvação!
Ah! Jesus é o nome dele!  É seu aniversário. Senhor, perdoe-nos! Receba nossa  humilde  Saudação!
UM FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO NOVO A TODOS !                                                      

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

DAQUI EU PENSO NELA













Na saída, o mato, a cerca
Lagarto passeia só
Não há vozes, há silvos
Mato range
Corto galho de espinho
Afasto cipó
Minha vista pouco abrange
Mata espessa, friagem sombria
Folhas mortas cobrem o chão
Na mão carrego o alfange
Paro e respiro fundo
... Esse é meu mundo!
Aqui, o tempo é contado pelo cansaço
- Se andei muito, se andei pouco...
Encontro um brejo, um rio
Árvore caída que virou pinguela
Um banho na água fria
Tibummmm!
Em volta, a natureza espia
Daqui eu penso nela
Não na natureza...
Mas na que ficou a me olhar
Lá da janela... Eu penso é nela...
A brisa bate e a saudade tange
É hora de voltar... Voltar pra ela!...

Leave your comments
Deixe seus comentários

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

NUM LIVRE GALOPE













Cansada, a cabeça já pede descanso
Da lida ou tropeço que rouba a atenção;
Já vai combalida, pesando na mão,
Em busca das águas d’um belo remanso,
Do banho onde nado, mergulho e não canso...
Já dei meu recado, já posso nadar;
Formei-me, construí, escrevi meu pensar;
Agora já posso selar meu cavalo,
Curtir essa vida, e sair para o embalo...
E vou galopando na beira do mar!

Não levo comigo o que fiz nesse mundo,
Pois pesa no fundo do alforje de couro;
Na sede, já sei onde achar bebedouro;
Comida eu terei, sei pescar lá no fundo,
A mãe natureza deu rio fecundo
E deu-me coragem e ensinou-me a nadar!
Chegou minha vez de também me largar;
Dei frutos, dei vida pra muitos rebentos!
Vou solto nos campos, nas águas, nos ventos,
Num livre galope... Na beira do mar!...

Leave your comments
Deixe seus comentários 

ENTRE CONTRAS E PRÓS














Vamos nós, juntos, procurar o bem,
Porque o mal só nos trará tristeza!
Ouço o solfejo da canção que vem
Com suavidade nos trazer nobreza...

Quando um não quer dizem que dois não brigam!
- É a sapiência popular que diz.
Que os anjos ouçam e que a nós bendigam!
Que nunca seja a nossa paz um triz!

Se está difícil a cavalgada a nós,
Façamos pouso no mais belo abrigo;
Recalculemos nosso rumo antigo,

Para que nunca nos sintamos sós!
Na vida há contras, mas também há prós...
Com todo amor, quero você comigo!

Leave your comments
Deixe seus comentários

TEUS BEIJOS (rondel)













Tornou-se um fardo ficar longe dos teus beijos...
Quando me lembro turvo o olhar, perco a visão!
Já não há jeito de alijar-te dos desejos
Tão arraigados dentro do meu coração!

Vago nas noites como louco em meus lampejos
Na tentativa de abrandar minha aflição;
Tornou-se um fardo ficar longe dos teus beijos...
Quando me lembro turvo o olhar, perco a visão!

Tu sempre foste tão presente em meus ensejos
Não deixarei que um dia soltes minha mão;
Seria a morte não ter mais os teus gracejos
Seria ter apunhalado o coração...
Tornou-se um fardo ficar longe dos teus beijos...

Leave your comments
Deixe seus comentários


segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

AMAR EM PAZ

Se amo, o meu amor é verdadeiro;
Se assim não o fosse, não seria amor.
Levo esse sentimento aonde for;
Perambulando vou, sem paradeiro!

Seguindo o meu instinto, sem roteiro,
Meu canto mudo finge ser cantor;
A pena, à minha mão, o meu compor;
A fé o meu apoio, o meu madeiro!

Assim, na vida onde o olhar alcança,
Desenho em pensamento o que mais quero,
Na paz do teu amor que tanto espero...

Num viver leve e cheio de bonança,
Quero pra nós a paz do amor sincero,
Enquanto a vida embala a esperança!

Leave your comments
Deixe seus comentários

FAÇA SOL OU FAÇA CHUVA!













Peguei u’a estrada de terra
Lá pras bandas do sertão
Quando a chuva lá da serra
Levava tudo em roldão
Não se via o horizonte
Nem a serra ali defronte
Era água enchendo a fonte
Banhando meu coração!

Pedi a meu Deus do céu
Que me desse algum abrigo
Eu ali ficando ao léu
Corria grande perigo
Nesse instante abriu o sol
Ouvi cantar rouxinol
Vi as cores do arrebol
Falei: Deus está comigo!

A partir daquele instante
Minha estrada se abriu
Vi pedras de diamante
Coisas que nunca se viu
Apareceu seminua
Dizendo-me: eu sou tua
Mulher com traços de Lua
... Junto comigo partiu!

Até hoje quando vejo
No céu as nuvens de chuva
Lembro-me que foi num beijo
Com gosto de mel e uva
Que a mulher tão seminua
Fez de mim a sua rua
... E hoje comigo flutua
Faça sol ou faça chuva!

Leave your comments
Deixe seus comentários

sábado, 10 de dezembro de 2011

GALOPA COMIGO NA BEIRA DO MAR












Um dia eu vi uma flor se mexendo
Corri para perto pra vê-la, ansioso,
Não vi o que houve, fiquei curioso,
A flor que eu queria – que ali ‘stava vendo,
Cantava, dançava, sorria correndo!
Pensei e perguntei-me: estarei a sonhar?
Eu vi uma flor a cantar e dançar?...
Eu nunca vi flor que se mexe e que canta!
Parece milagre, vai ver que ela é santa...
Rezei galopando na beira do mar!

Os anjos ouviram aquela oração;
Fizeram da flor meu abrigo de paz.
Peguei meu cavalo, ligeiro, sagaz,
E fui confirmar toda aquela versão.
Dei asas a ele, meu lindo alazão,
E fui galopando até avistar
Tão linda, tão bela, uma flor a cantar...
Tornou-se mulher, tem o nome de Lua,
Me segue na cama, em casa, na rua
... Galopa comigo na beira do mar!

Leave your comments
Deixe seus comentários