Vozes/Poesia em Vários Tons/Poesias Brasileiras/Um Passeio por Minas Gerail/A Poesia de Ineifran Varão vols.I e II/Poemas Brasileiros/Causos e Cordéis/Varano/Varano, o poema sonoro

terça-feira, 24 de julho de 2012

QUE AMOR É ESSE?... INFINITO?













Amor sublime e forte que transpassa
As bordas mais distantes do infinito,
Espalha nas distâncias, onde passa,
Amostras de um sentir, o mais bonito...

Arraiga-se de vez num ser finito,
Nas vísceras do corpo que trespassa,
Percorre todo o ser, a biomassa,
E expressa-se no verso que é seu grito!...

Que amor é esse... Súbito aparece,
Quando nem mais sabemos o que somos?
Enreda-nos, qual músicas de prece,

Desfolha-nos em pétalas ou gomos,
Eleva-nos na fome que apetece
Aos píncaros, ao ápice, aos domos?!...

domingo, 22 de julho de 2012

ATÉ NO ALÉM














Hoje a luz já se vê, na lua nova...
Uma nesga bem clara e brilhante!
Ao bom poeta dá uma bela trova...
Sinto em meu coração por ser amante!

Amante porque te amo e isso me prova
O quanto é grande o amor, a todo instante!
Jamais serei no mundo um ser errante
Se o teu amor a mim ao meu aprova...

A luz que dessa lua me ilumina
É a mesma que ilumina a ti também,
Traçando para nós a mesma sina!

Louvo aos bons anjos, pois, dizendo amém,
Fazendo desse amor nossa doutrina
Aqui, ali, lá longe... Até no além!

sábado, 21 de julho de 2012

SOFRI (rondel)



Sofri por muitas horas sem te ver,
E vi coisas horríveis, tenebrosas!
Eu vi girar a Terra pra valer!
Vi mulheres fantasmas, assombrosas...

O sol tingiu de sangue o meu viver...
Vi cadafalso à frente, vi ventosas...
Sofri por muitas horas sem te ver,
E vi coisas horríveis, tenebrosas...

Perdi noção do mundo e do saber!
Fugi, depois voltei às Alterosas,
Tentei de tudo para não sofrer
... E até  te reencontrar em meio às rosas,
Sofri por muitas horas sem te ver!

quarta-feira, 4 de julho de 2012

DESVENTURA



Renascem na penumbra os sonhos meus,
Na imagem calorosa do sol por...
Degusto de saudade os lábios teus,
Nas marcas que ficaram desse amor...

A nuvem tornou cinza a bela flor
E as pétalas caíram dando adeus!
Se ainda Orfeu houvesse, ou haja ‘orfeus’,
Nenhum se refaria dessa dor!

Ó incontestável ser, o ser humano!
Sufoca-se no amor, comete engano,
Quando teria que ser a redenção...

Aos poucos vai morrendo a cada ano,
Envolto em desventura e desengano,
Nas fibras escarlates da paixão...

Leave your comments

TEUS LÁBIOS
















Vejo a flor brotando lenta
No jardim dos nossos sonhos
Ato puro que alimenta
Os meus sonhos mais bisonhos
Pétalas que acaricio
Molhadas qual no rocio
Abrem-se em lábios risonhos...

Leave your comments

RONDEL DE UM SONHO


 
Tornou-se apenas o fantasma dos meus dias
Aquele sonho que embalava a esperança...
Dos seus castelos impregnados de magias
Suspira em ais sempre fugazes a lembrança...

Mostrou-me a graça nas imagens fantasias,
Depois as faces, pouco a pouco, em confiança.
Tornou-se apenas o fantasma dos meus dias
Aquele sonho que embalava a esperança...

Jamais mostrou-se inteira em face sem fatias!
Fantasmagórico vislumbre fez-se herança!
Deixou tristeza, carregou-me as alegrias...
Por muitas vezes fez-me adulto e até criança...
Tornou-se apenas o fantasma dos meus dias...

Leave your comments