Vozes/Poesia em Vários Tons/Poesias Brasileiras/Um Passeio por Minas Gerail/A Poesia de Ineifran Varão vols.I e II/Poemas Brasileiros/Causos e Cordéis/Varano/Varano, o poema sonoro

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

PRÊMIO DARDOS

PRÊMIO DARDOS
Não poderia negar estar envaidecido, ao ser honrado pelas mãos da grande poetisa Luna Di Primo, com o PRÊMIO DARDOS, reforçando o que ela também recebeu - e receberá muitos - deixando aqui meus sinceros agradecimentos, em Mindim, forma poética que ela criou em 2011 e que já é um sucesso:

"Prêmio
Dardos"!
Honra


À qual
Sou
Grato


E que
Veio
Pelas


Mãos
Nobres
Da


Musa
Viva
E bela


Luna
Di
Primo!


Sou-lhe
Muito
Grato!

'"PRÊMIO DARDOS"

O Prêmio Dardos, prestigiado e desejado no mundo dos blogs,   reconhece o mérito diário a cada blogueiro que com amor e dedicação faz espalhar o seu conhecimento e criatividade, tornando-o disponível para todos na web.

De acordo com as regras devemos:
-exibir a imagem do selo no blog
-colocar o link do blog de quem se recebeu o prêmio: 
-escolher outros blogues para receber o Selo Prêmio Dardos
-avisar os escolhidos.

Se você meu poeta ou minha poetisa não aceitar, faz parte da regra. 
A liberdade é um conceito que deve ser vivido pelos poetas amplamente".




Com imenso prazer, entrego-lhes:

Poeta Toninhobira
Poetisa Luna Di Primo
Poetisa Menduiña
Poetisa Ivany Sversuti
Poetisa Valéria Carvalho

O meu reconhecimento a todos vocês


domingo, 28 de outubro de 2012

NÃO GUARDE NENHUM RANCOR


Não me olhe de soslaio
Não guarde de mim rancor
Carrego no meu balaio
Pra te dar... Somente flor

Nas curvas tantas da vida
Muitos nos fazem favor
Mas não saram a ferida
Aberta no nosso amor

Não escolhemos o rumo
Não nos foi dado esse tino
Mas se um dia foge o prumo
Mudemos nosso destino

Livre arbítrio Deus nos deu
Está no Livro Sagrado
Dizer que a dor não doeu
Não conserta o estragado

Mas se é assim que está escrito
Veja se foi por amor
Que o coração deu seu grito...
Não guarde nenhum rancor...

sábado, 27 de outubro de 2012

ÚLTIMO OLHAR











Último olhar lhe dei
Na dobra do caminho...
Na poeira da estrada,
Ainda a vi sentada
À porta do seu ninho...

O aceno que me deu
É parte desta vida,
Que amou em demasia
A quem a fantasia
Fez terra prometida!

Último olhar lancei
Na dobra do caminho...
Pintei em tela a imagem
Do que hoje é só miragem
... De onde não há mais ninho!


TRAJETÓRIA


Pensar lisonjeiro
Sorriso maroto
Afagos e mimos
Encanto de tudo
Drenado no esgoto...

Sorrisos e beijos
Amor-confissão
Começam a andar
Tropeçam no amor
E caem no chão!

No erro das peças
Do quebra-cabeça
Se alguém tem amor
Afague-o com graça
Antes que amanheça!

Os calos se formam
Desgastam-se os pés
O mar se agiganta
Já não há mais tempo
... Despenca o convés!

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

IMBUZEIRO













Imbuzeiro ou umbuzeiro
Fruto gostoso demais
Em teus galhos resistentes
Fui trapezista, fui gente
Vivi a infância querida
Que não esqueço jamais

Pulava de galho em galho
Colhendo o imbu mais gostoso
Fazia balanço de cordas
Acrobacias perigosas
Desafiava as alturas
Sem temer o perigoso

Meu imbu, meu imbuzeiro
Trago-te em minha lembrança
Deixei-te quando menino
Pela força do destino
Mas te trago ainda na alma
Dos tempos de inda criança...

terça-feira, 23 de outubro de 2012

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

SE...


Ah... Se eu fosse adivinho – o do cristal,
Talvez sofresse menos meu destino;
Talvez quisesse ser inda um menino;
Talvez achasse a vida tão banal...

Ah... Se adivinho eu fosse – do astral,
Quem sabe aproveitasse o dom divino,
Ouvisse longe o aviso, como um sino,
Pudesse eu também dar o sinal...

Mas adivinhos nada saberão!
A nós não nos foi dado esse quinhão!
Bailamos à deriva, ao Deus dará...

Mas, se adivinho eu fosse, o meu perdão
Iria cair do céu como um maná...
Quem sabe eu lhe daria na sua mão...

domingo, 21 de outubro de 2012

AOS VISITANTES


AOS VISITANTES dou boas vindas, com o prazer de quem mostra sua própria casa às pessoas queridas. Terei prazer também em visitá-los, em seus próprios blogs ou sites. 
Dou-me o direito de não mais postar nas dezenas de grupos abertos, criados, muitas vezes, para o congraçamento de poetas, que, como tais, teoricamente visam a poesia, sua divulgação e deleite. Não me julgo melhor nem pior do que ninguém. 
Respeito o gosto e o direito que os demais têm de ler, aceitar, comentar, criticar seus autores. Porém, confesso o meu desapontamento diante do descaso da maioria de “postadores”, sejam poetas ou simpatizantes, aos escritos da maioria. 
Aqui, sinto-me em casa. 
Escrevo sem pretensão de aparecer. 
Aos que aqui vierem, trato-os com o respeito e carinho devidos, e agradeço-lhes a visita. 
Lá, infelizmente, a decadência trouxe a baixa qualidade, fruto do desleixo em aprender e zelar pela boa poética. Há pessoas que postam poemas que nada têm a ver com soneto, por exemplo, mas o chamam assim; seria bom que essas pessoas estudassem, pesquisassem, antes de nominar uma das formas poéticas mais belas e antigas, porém, de uma beleza sem par. 
Há pouco, no dia do poeta, postei uma homenagem aos inúmeros poetas e ‘poetas’... Sequer houve um agradecimento, aliás, houve uns três... Por quê? Porque ali tornou-se uma banca de textos, onde posta quem quer, o que quer, e lê quem não vive enclausurado no seu próprio ego. 
Virou uma vitrine de 1,99! É a exposição do ego, sem leilão, sem leitor, sem prego! Lamentável! 
http://ineifran.blogspot.com

sábado, 20 de outubro de 2012

DIA DO POETA - 20 de outubro


DIA DO POETA – 20 outubro


Poeta, inventaram
Que hoje é teu dia
Mas no meu conceito
Não tens dia certo
Tu és poesia!

Poeta, quiseram
Homenagear-te
E a eles me junto
Num preito de honra
Em nome da arte!

Poeta, és tão só
Às vezes, reclamas
Às vezes, tu choras
Às vezes, sorris
Poeta, tu amas!

Poeta, és eterno
No amor e na dor
Se cantas o belo
Se cantas o feio
Tu cantas co’amor!

Ó Poeta, aceita
Os meus parabéns!
O mundo agradece
Teu dia é pra sempre
Do céu tu provéns!

By Ineifran Varão – 20/10/12


sábado, 13 de outubro de 2012

O BOM DA VIDA...














O bom da vida é ter sempre a esperança;
Nunca ter que dizer: Me arrependi;
Mágoa, rancor... Não mais dizer: Senti;
Dizer: Risquei-as da minha lembrança!

O bom da vida é ter, como criança,
A impressão que o longe é bem ali!
Que podemos voar, qual bem-te-vi!
... Não ter motivos pra desconfiança!

O bom da vida é rir-se da besteira,
Comer um brigadeiro sem problema,
Amar e ser amado em consciência...

É ver, no pingo d’água da goteira,
A física, suas leis... Não um dilema;
Ser simples... Mesmo sendo uma excelência!



quinta-feira, 11 de outubro de 2012

HORAS












As horas da minha vida
Não têm números, ponteiros...
Não as conto, não há lida,
Nem últimos, nem primeiros...

As horas da minha vida
Estão a me ver passar;
São como página lida,
Que o vento pode rasgar...

segunda-feira, 1 de outubro de 2012